Ginástica Laboral

13/06/2017 15:39

A Ginástica Laboral já está acontecendo na UFSC. Ela acontece todas as segundas, quartas e sextas às 10hs e às 16hs no hall da Reitoria I ou na parte externa da Reitoria I dependendo do clima.

A prática de 10 minutos de Ginástica Laboral por dia pode lhe trazer inúmeros benefícios.

Participem!

Vacina da Gripe

09/06/2017 15:25

A Influenza, ou Gripe, é uma infecção respiratória aguda, causada pelos vírus influenza A e B. O vírus A está associado a epidemias e pandemias. É um vírus de comportamento sazonal e tem aumento no número de casos entre as estações climáticas mais frias, podendo haver anos com menor ou maior circulação do vírus. Habitualmente em cada ano circula mais de um tipo de influenza concomitantemente (exemplo: influenza A (H1N1), influenza A (H3N2) e influenza B).

A Influenza inicia-se em geral com febre alta, seguida de dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça, coriza e tosse seca. A febre é o sintoma mais importante, e, dura em torno de três dias. Os sintomas respiratórios como a tosse e outros, tornam-se mais evidentes com a progressão da doença e mantêm-se em geral de três a cinco dias após o desaparecimento da febre. Alguns casos apresentam complicações graves, como pneumonia, necessitando de internação hospitalar. Devido aos sintomas em comum, pode ser confundida com outras viroses respiratórias causadoras de resfriado.

No Brasil, neste ano, até o momento está predominando a circulação do vírus influenza A (H3N2), como foi observado na sazonalidade de influenza do Hemisfério Norte em 2016-2017, dados disponíveis no site da Organização Mundial da Saúde (OMS). Lembrando que, apesar da sazonalidade do vírus ser maior no inverno, no Brasil pode haver circulação em outras épocas do ano, já que o país apresenta diferenças geográficas e climáticas em suas regiões.

A vacina é produzida segundo as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), com base nos vírus que estão circulando em cada hemisfério em um dado momento. No ano de 2017, a vacina trivalente é composta pelas seguintes cepas:

A/Michigan/45/2015 (H1N1)pdm09

A/Hong Kong/4801/2014 (H3N2)

B/ Brisbane/60/2008

Já a vacina tetravalente deve conter, além dessas três cepas, o vírus Influenza B, subtipo Phuket/3073/2013.

No Brasil serão disponibilizadas vacinas trivalentes produzidas pelo Instituto Butantan e Sanofi Pasteur.

Nos grupos prioritários para a vacina, estão indivíduos com 60 anos ou mais de idade; crianças na faixa etária de seis meses a menores de cinco anos de idade; gestantes; puérperas (até 45 dias após o parto); trabalhadores de saúde; povos indígenas e pessoas com doenças crônicas como diabetes, asma, bronquite, por exemplo, e outras condições clínicas especiais, como pessoas transplantadas. E, a partir desse ano, os professores de rede pública e privada foram incluídos no grupo alvo da vacinação e passaram a ter direito a receber a imunização gratuitamente no SUS.

O vírus influenza sofre mutação frequente, o que requer um monitoramento global e reformulação anual da vacina contra influenza. Devido a essa mudança dos vírus influenza, é necessário se vacinar anualmente contra influenza. Todo ano, o Ministério da Saúde realiza a Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza, onde grupos prioritários podem receber gratuitamente a vacinação nos postos de saúde. O Ministério da Saúde lançou a 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, que está sendo realizada no período de 17 de abril a 26 de maio de 2017.

A vacina é segura e é considerada uma das medidas mais eficazes para evitar casos graves e óbitos por gripe. A vacina da gripe pode ter algum tipo de reação adversa, mas a vacina é considerada segura. A reação mais comum é a dor no local de aplicação. A Vacina não provoca a Gripe, já que é uma vacina inativada e fracionada, o que significa que os vírus estão mortos e replicados, não podendo se reproduzir dentro do organismo das pessoas vacinadas; no entanto, podem produzir uma resposta imunológica protetora. Cerca de 15 dias após a vacinação já começam a surgir os anticorpos que darão a proteção contra a gripe, sendo que esta proteção máxima será atingida após aproximadamente 45 dias.

Para evitar a gripe ou a sua transmissão também se devem fazer uso de medidas preventivas como: higienizar as mãos com água e sabão ou com álcool gel, principalmente depois de tossir ou espirrar; depois de usar o banheiro, antes de comer, antes e depois de tocar os olhos, a boca e o nariz; evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies potencialmente contaminadas (corrimãos, bancos, maçanetas etc.).  Manter hábitos saudáveis, como alimentação balanceada, ingestão de líquidos e atividade física. Pessoas com síndrome gripal devem evitar contato direto com outras pessoas, abstendo-se de suas atividades de trabalho, estudo, sociais ou aglomerações e ambientes coletivos.

O Ministério da Saúde, desde 5 de junho, passou a disponibilizar a toda população a vacina contra Influenza na rede pública de saúde. Dessa forma, procure o posto de saúde próximo a sua residência e se proteja!

 

Fontes:

http://www.who.int/influenza/surveillance_monitoring/updates/latest_update_GIP_surveillance/en/

www.portalsaude.gov.br

www.vacinacontragripe.com.br

 

Dia Mundial sem Tabaco 2017

31/05/2017 14:54

O dia 31 de maio é o marco anual da campanha antitabagista. No Dia Mundial sem Tabaco 2017, o Instituto Nacional de Câncer – INCA adotou como tema da campanha “Tabaco: uma ameaça ao desenvolvimento”. A proposta consiste em um apelo aos países-membros para que implementem medidas consistentes de controle do tabaco, incluindo a proibição de todo tipo de marketing e publicidade relacionados ao assunto, a adoção de embalagens simples para os produtos e o aumento de impostos especiais voltados para o setor.

Dados da OMS mostram que o consumo do tabaco mata mais de 7 milhões de pessoas todos os anos e custa aos lares e aos governos mais de US $ 1,4 trilhão, em razão de despesas com saúde e da perda de produtividade. Muitos estudos evidenciam que o consumo de derivados do tabaco causa quase 50 doenças diferentes, principalmente as cardiovasculares (infarto, angina), o câncer e as doenças respiratórias obstrutivas crônicas (enfisema e bronquite).

Além disso, esses estudos mostram que o tabagismo é responsável por:
200 mil mortes por ano no Brasil (23 pessoas por hora);
25% das mortes causadas por doença coronariana;
45% das mortes causadas por doença coronariana na faixa abaixo dos 60 anos;
45% das mortes por infarto agudo do miocárdio na faixa abaixo de 65 anos;
85% das mortes causadas por bronquite e enfisema;
90% dos casos de câncer no pulmão (entre os 10% restantes, 1/3 é de fumantes passivos);
30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer tabaco-relacionados (boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga e colo do útero);
25% das doenças vasculares (derrame cerebral, trombose).

O Departamento de Atenção à Saúde da UFSC apoia as campanhas antitabagistas e aproveita o Dia 31 de Maio para evidenciar os danos causados pelo tabaco. Para mais informações sobre a Campanha 2017 e sobre os riscos e orientações para parar de fumar, acesse: http://www.inca.gov.br/dia-mundial-sem-tabaco/index.html.

A Unimed oferece para seus clientes atendimento com acompanhamento individual ou em grupo por médico e equipe de saúde multiprofissional através do Programa de Controle do Tabagismo. Para mais informações acesse: http://www.unimed.coop.br/pct/index.jsp?cd_canal=53821&cd_secao=66994.

Fontes: 

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-05/dia-mundial-sem-tabaco-alerta-este-ano-para-danos-causados-pela-producao-do

http://www.capesesp.com.br/295

http://www.inca.gov.br/dia-mundial-sem-tabaco/

Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher

26/05/2017 16:30

O dia 28 de maio é de extrema importância para as mulheres. Esse dia foi criado para conscientizar a sociedade sobre os diversos problemas de saúde que acometem o público feminino, e marca duas lutas para a saúde feminina, o Dia Internacional de Luta Pela Saúde da Mulher e o Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna. Ambas têm como objetivo chamar a atenção e conscientizar a sociedade dos diversos problemas de saúde e distúrbios comuns na vida das mulheres.

As mulheres já são maioria no Brasil. Segundo o último censo do IBGE, elas representam 51% da população brasileira. Com o aumento da expectativa de vida delas, é ainda mais importante prestar atenção à saúde nas diferentes fases da vida. Nas últimas décadas, está mudando o cenário da saúde no país, e para envelhecer com qualidade de vida é preciso manter hábitos saudáveis que ajudem a prevenir doenças, como manter os exames preventivos em dia e praticar exercícios físicos aliados a uma alimentação saudável.

Fontes: Blog da Saúde (http://www.blog.saude.gov.br/)

              Fundação Assefaz (http://www.assefaz.org.br)

15 de Maio: Dia do/a Assistente Social

15/05/2017 15:28

Hoje, 15 de maio, é celebrado o Dia do/a Assistente Social. A equipe da CPVS/DAS deseja parabenizar todos esses profissionais que se dedicam à mediação das desigualdades e dificuldades presentes no âmbito social, através da luta por melhores condições de vida, trabalho, e, como em nosso Departamento, saúde. Agradecemos todo o empenho e dedicação dos/as Assistentes Sociais, e deixamos abaixo uma reflexão de Maria Lúcia Martinelli sobre o olhar do Assistente Social:

“A nobreza de nosso ato profissional está em acolher aquela pessoa por inteiro, em conhecer a sua história, em saber como chegou a esta situação e como é possível construir com ela formas de superação deste quadro. Se reduzirmos a nossa prática a uma questão urgente, a uma questão premente, retiramos dela toda a sua grandeza, pois os deixam de considerar, neste sujeito, a sua dignidade humana”. (Maria Lúcia Martinelli)

Departamento de Atenção à Saúde da UFSC promove palestras sobre assédio moral

12/05/2017 16:00

Coordenadoria de Promoção e Vigilância em Saúde (CPVS) do Departamento de Atenção à Saúde (DAS) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) promoveu duas palestras relacionadas ao tema assédio moral na manhã da última quarta-feira, 10, no auditório da Reitoria da UFSC, em Florianópolis. A atividade fez referência ao Dia Nacional de Combate ao Assédio Moral celebrado no dia 2 de maio.

Palestra “Consequências do assédio moral para os trabalhadores e organizações” realizada no auditório da Reitoria da UFSC no dia 10 de maio.

A primeira apresentação, intitulada “Consequências do assédio moral para os trabalhadores e organizações”, foi ministrada pela professora do Departamento de Psicologia da Universidade, Suzana da Rosa Tolfo, e pelo o administrador da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) de Santa Catarina, Renato Tocchetto de Oliveira. Ambos são membros do  Núcleo de Estudos de Processos Psicossociais e de Saúde nas Organizações e no Trabalho (Neppot) da UFSC.

Suzana destacou a relação do tema com a saúde do trabalhador e a gestão do ambiente de trabalho. “Atos, comportamentos e atitudes que humilham, constrangem. É um prazer estar aqui, mas não é um prazer falar disso. O assédio moral é violência predominantemente psicológica e essa é uma grande dificuldade para prevenir e coibir a prática na organização em todas as relações”. A professora relatou aumento do registro de situações que envolvem a prática. “Geralmente, identificamos as situações de assédio nas relações interpessoais e existem sempre duas pessoas, mas, às vezes, existe um grupo e práticas organizacionais, como metas e exigência abusivas, que não estão descritas nas funções do cargo”, afirmou.

Entre as consequência do assédio moral, estão redução de produtividade e de qualidade de produtos e serviços, aumento de erros, acidentes e aposentadorias, exposição negativa do nome da organização, ocorrências de licenças médicas, custos sociais e financeiros às organizações e passivos com indenizações. “O assédio moral não é uma foto, é um filme. Uma sequência de fatos que vão desgastando a pessoa, criam ressentimentos. O assédio vai se acentuando até a saída da organização, e pode chegar até a suicídio e assassinato. O suicídio não é incomum, principalmente se o assediado perde o apoio da família”, pontuou o administrador da SRTE.

“Se pergunto para a professora Suzana o que ela é, ela vai dizer, ‘sou professora’. O trabalho é o que somos e, por isso, o trabalho é tão central na nossa vida. A UFSC é uma das pioneiras na criação de políticas de combate ao assédio moral e isso abre caminho para outras instituições”, avaliou Renato, que afirma estar o assédio moral estritamente vinculado ao poder.

O relato de um estudo produzido por um neurocientista com babuínos na África foi feito pelo administrador durante sua fala. O estudo concluiu que, em três horas, os animais conseguem todas as calorias de que necessitam para o dia. O resto de tempo passariam torturando os outros membros do grupo. Fariam isso como forma de ascensão social. “Os torturadores mais atrozes foram os que mais se destacaram”, disse.

O palestrante relatou, ainda, um outro estudo, feito com trabalhadores da Inglaterra, que identificou a existência de uma relação próxima entre o que aconteceu na África e as práticas daquele grupo humano. “Ocorreu de o grupo de macacos de maior status ingerir carne contaminada por tuberculose. A morte dos animais levou a ascensão de outros, que tinham uma função social no grupo e eram mais justos e gentis. Os outros macacos, então passaram a aderir a essas regras e cresceram e prosperaram. Nós, humanos, vamos ter de comer carne com tuberculose para evoluir e prosperar?”, questionou.

O setor jurídico do Sindicato dos Trabalhadores da UFSC (Sintufsc) atende a questões de assédio moral que, segundo o coordenador-geral do Sindicato, Celso Ramos Martins, não são poucas. “Encaminhamos um diálogo em primeiro plano com o servidor e enviamos um documento para a chefia para entender o que está acontecendo. Com várias reuniões, vamos tentando resolver as situações. Muitas vezes, há acordos com as chefias, ou conseguimos trocar o servidor de setor. Esse é o trabalho que é feito dentro do Sindicato em conjunto com a instituição”, disse. “Assédio moral é toda e qualquer conduta que caracteriza comportamento abusivo, frequente e intencional, através de atitudes, gestos, palavras ou escritos que possam ferir a integridade física ou psíquica de uma pessoa, vindo a pôr em risco o seu emprego ou degradando o seu ambiente de trabalho”, complementou Celso.

Deteriorização das condições de trabalho, isolamento e recusa de comunicação, atentado contra a dignidade, violência verbal, física ou sexual, provocar a desestabilização emocional do trabalhador ou a remoção para outro local de trabalho, pressioná-lo a pedir demissão e fazer com que fique subjugado estão entre as principais formas de assédio.

Para Renato, o individualismo, a cultura de competição, a falta de empatia e a banalidade do mal criam uma cultura propícia ao assédio moral. “O assédio moral pode causar desgaste psíquico e degradação do ambiente de trabalho. A pessoa fica estigmatizada. Pode gerar problemas de saúde, inclusive psíquica, estresse e levar à diminuição da produtividade. Com isso, o trabalhador passa a ‘dar razão’ a quem o assedia”, explicou.

“Quando a gente fala de trabalho, fica muito a questão do trabalhador, mas os alunos, monitores, bolsistas também são trabalhadores. Não é uma crítica específica a essa universidade, até porque estamos sendo pioneiros. Temos recebido relatos de alunos de pós-graduação que sofrem assédio de colegas e dos próprios orientadores”, afirmou Suzana.

O assédio moral pode ser descendente – do superior para o subordinado; ascendente – do subordinado para o superior; horizontal – entre colegas; e misto – entre superiores, colegas e subordinados. “Entende-se que sempre existe uma responsabilidade por parte da organização quando se identifica uma prática de assédio moral. Defendemos punições, mas, preferencialmente, a prevenção para termos ambientes mais saudáveis”, afirmou Suzana.

A segunda palestra do dia, “Casos concretos, exemplificando o que é e o que não é assédio”, foi apresentada pelo procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT), Acir Alfredo Hack.

Confira o vídeo com informações gravado na exposição do evento:

Texto: Bruna Bertoldi / Jornalista / Agecom / UFSC

Fotos: Ítalo Padilha / Fotógrafo / Agecom  / UFSC

Palestras para “Dia de Conscientização ao Combate ao Assédio Moral no Trabalho”

05/05/2017 10:35

No dia 10 de maio, das 10 às 12 horas, no Auditório da Reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina, serão realizadas duas palestras relacionadas ao tema Assédio Moral, promovidas pelo Departamento de Atenção à Saúde/ PRODEGESP. A primeira intitulada “Consequências do assédio moral para os trabalhadores e organizações”, ministrada pela professora Suzana da Rosa Tolfo e o Administrador, Renato Tocchetto de Oliveira da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE/MTE/SC) ambos, membros do  Núcleo de Estudos de Processos Psicossociais e de Saúde nas organizações e no trabalho(NEPPOT) e a segunda intitulada “Casos Concretos, Exemplificando o Que é e o Que Não é Assédio”, ministrada pelo Procurador Acir Alfredo Hack do Ministério Público do Trabalho.

Inscrição em: http://inscricoes.ufsc.br/

Aos participantes inscritos, será fornecido certificado de participação.

GINÁSTICA LABORAL – BEM ESTAR PARA TODOS

04/05/2017 15:52

A Secretaria de Esportes – SESP, em parceria com o Departamento de Atenção à Saúde – DAS/PRODEGESP, convida todos os professores e os servidores técnico- administrativos em educação, a participar da atividade de Ginástica Laboral, com início previsto para 05 de junho.

O projeto Ginástica Laboral – Bem Estar para Todos,  é um projeto piloto, que será realizado na Reitoria 1; na área externa ou interna, dependendo da condição climática, as segundas, quartas e sextas-feiras. Serão oferecidos dois horários para que não haja prejuízo do trabalho e o pessoal possa ser dividido em duas turmas. A primeira turma as 10:00  hs e a segunda turma as 16:00  hs.

A prática de 10 minutos de ginástica Laboral por dia, pode lhe trazer inúmeros benefícios:

Aumento do ânimo e disposição para o trabalho; aumento da autoestima; melhora da autoimagem; socialização e integração entre as pessoas;  espírito coletivo para o trabalho; orientação postural, redução do sedentarismo e estresse, diminuição da ansiedade e fadiga muscular, prevenção de doenças ocupacionais (LER/DORT).

A prática da Ginástica Laboral não requer vestimentas especiais, pode ser perfeitamente realizada com as roupas do dia-a-dia. Para as participantes que não abrem mão do salto alto, sugerimos o uso de um calçado mais confortável durante a prática.

A Atividade laboral contará com a execução dos monitores da Educação Física Fernanda Gonçalves e Sandro Henrique,  sob a coordenação e supervisão da Secretaria de Esporte.

Participe! Que este hábito espalhe-se pela UFSC!

PROJETO “VAMOS, PRODEGESP!”

04/05/2017 15:29

1º Encontro do Projeto “VAMOS, PRODEGESP!”.

O Programa Vida Ativa Melhorando a Saúde , mais conhecido como PROJETO VAMOS, está sendo oferecido para os servidores técnico-administrativos da PRODEGESP na UFSC. Este projeto se iniciou em 27/04/2017 e será finalizado em 23/11/2017. Estão participando 20 servidores os quais estão se reunindo, presencialmente, uma vez por semana. O programa possui 32 horas de carga horária e foi oferecido como um curso de capacitação pela  Coordenadoria de Capacitação de Pessoas – CCP. Os professores responsáveis são Tânia R. Bertoldo Benedetti e Cassiano Ricardo Rech ambos professores de educação física da UFSC.  As estratégias de ensino para os encontros são rodas de conversa, discussões em grupo, análise de rótulos de alimentos e modelos de aulas práticas.

Os objetivos do curso são:

– Oferecer um programa de mudança de comportamento que objetiva motivar as pessoas a adotarem um estilo de vida saudável;

– Desenvolver estratégias para planejar a melhor forma de gastar o seu tempo;

– Criar metas de atividade física;

– Orientar para escolha de alimentos adequados e saudáveis conforme a cultura e o local;

– Transformar o indivíduo para pensar de forma mais consciente e saudável.

A meta, em geral, deste programa é que os integrantes mantenham-se nos níveis de normalidade no peso corporal e na atividade física. Especificando um pouco mais, a meta é diminuir 5% do peso corporal daqueles participantes que estejam com sobrepeso e atingir 150 minutos de atividade física moderada por semana entre os participantes.

No final do curso os participantes receberão um certificado caso obtenham frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento).

Maiores informações no site: http://vamos.ufsc.br/.

 

DIA MUNDIAL DA ATIVIDADE FISICA

07/04/2017 15:04
DIA MUNDIAL DA ATIVIDADE FÍSICA - 06 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DA ATIVIDADE FÍSICA – 06 DE ABRIL

Dia Mundial da Atividade Física – Pessoa Ativa! Pessoa Feliz!

No dia 6 de Abril é comemorado o Dia Mundial da Atividade Física e, neste ano o tema será Pessoa Ativa! Pessoa Feliz! A data representa um esforço da Organização Mundial da Saúde em divulgar a importância da prática regular de atividade física para a saúde da população e também como um direito de todo o cidadão.

Nas últimas décadas ficou evidente a relação existente entre a falta de atividade física e maior risco de doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes, hipertensão arterial, obesidade, entre outras (WHO, 2014). A inatividade física representa o quarto principal fator de risco de morte no mundo, ou seja, 3,2 milhões de mortes/ano são atribuídas a inatividade física (Lee et al., 2012). Também, observa-se cada vez mais a importância da prática de atividade física no controle do estresse, em uma melhor saúde mental e menor risco de vários tipos de câncer (Ding et al., 2016).

Recomenda-se que adultos (≥ 18 anos) realizem pelo menos 150 minutos/semana de atividades físicas de intensidade moderada ou vigorosa que fazem sua respiração ficar mais forte e seu coração bater mais rápido (30 minutos em pelo menos cinco dias da semana), incluindo corridas, caminhadas rápidas, práticas de esportes, musculação, ginástica, entre tantos outros (WHO, 2010).

Um fator importante é escolher atividades que tenham algum significado para você, assim haverá maior chance desta prática tornar-se parte do seu estilo de vida.

Outra alternativa importante para atingir as recomendações de atividade física é o deslocamento ativo. Ele é caracterizado pelo modo como você se desloca para o trabalho, locais de estudo ou para realizar as tarefas diárias como fazer compras, visitar parentes, entre outros. Essas formas ativas de deslocamento podem ser um importante momento para se tornar mais ativo.

Apesar destas recomendações, um estudo envolvendo adultos das capitais brasileiras e o Distrito Federal mostra que entre 30,4% em São Paulo e 47,1% em Florianópolis dos adultos são fisicamente ativos no lazer. Por outro lado, o relatório aponta que a frequência de adultos que costumam despender três ou mais horas do dia vendo televisão variou entre 19,9% em Florianópolis e 30,6% no Rio de Janeiro (Brasil, 2015), o que pode representar outra forma de comportamento de como passar o tempo livre.
É evidente que inúmeros fatores estão relacionados com as suas escolhas para realizar atividade física! Dentre eles a falta de segurança, de espaços adequados, de motivação, de orientação e conhecimento sobre a prática. Escolha lugares mais seguros, espaços adequados, busque informações sobre diferentes modalidades e motive-se, só assim você mudará seu estilo de vida!

Procure fazer 150 minutos por semana em atividades físicas moderadas ou vigorosas! Pequenas atitudes já fazem a diferença.
– Passeie com seu cachorro;
– Vá à universidade a pé ou de bicicleta pelo menos uma vez por semana quando a distância for viável;
– Desça do ônibus um ponto antes ou após de chegar ao seu destino;
– Suba escadas sempre que possível;
– Se você trabalha sentado, levante de tempo em tempo;
– Realize caminhadas;
– Programe atividades ativas com sua família e seus filhos, pais ativos filhos ativos;
– Realize atividades de lazer de forma ativa, ou seja, ande de bicicleta, jogue, passeie na praia, …. são ótimas oportunidades para ser ativo;

Referências
Brasil. (2015). Vigitel Brasil 2014: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasilia. Retrieved from http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/abril/15/PPT-Vigitel-2014-.pdf
Ding, D., Lawson, K., Kolbe-Alexander, T., Finkelstein, E., Katzmarzyk, P., van Mechelen, W., & Pratt, M. (2016). The economic burden of physical inactivity : a global analysis of major non-communicable diseases. Lancet, 388(10051), 1311–24. Retrieved from http://thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(16)30383-X/abstract
Lee, I. M., Shiroma, E. J., Lobelo, F., Puska, P., Blair, S. N., & Katzmarzyk, P. T. (2012). Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet, 380(9838), 219–229. http://doi.org/10.1016/s0140-6736(12)61031-9
WHO. World Health Organization. (2010). Global recommendations on physical activity for health. Geneva: World Health Organization. Genebra. http://doi.org/10.1080/11026480410034349
WHO. World Health Organization. (2014). Global status report on noncommunicable diseases 2014. World Health. http://doi.org/ISBN 9789241564854