DAS – Departamento de Atenção à Saúde
  • Dezembro Laranja – Prevenção ao Câncer da Pele

    Publicado em 14/12/2021 às 14:34

    A Coordenadoria de Promoção e Vigilância em Saúde (CPVS/DAS/PRODEGESP) com o objetivo de conscientizar sobre a prevenção do câncer de pele está contribuindo na divulgação das peças da campanha da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). “Adicione mais fator de proteção ao seu verão”: esta é mensagem central da campanha do Dezembro Laranja 2021 da SBD.

    Como neste verão, devido à queda nos indicadores de morbidade e de mortalidade relacionados à covid-19, as praias e os espaços abertos voltarão a ser muito ocupados, a Sociedade Brasileira de Dermatologia lembra que a retomada da normalidade tem que ser feita com respeito às recomendações das autoridades sanitárias. Além disso, esclarece que a população deve agregar à sua rotina as medidas de prevenção também contra o câncer de pele.

    A metodologia indicada por dermatologistas para reconhecer as manifestações dos três tipos de câncer da pele (carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e melanoma) para auxiliar na identificação dos sinais perigosos é a Regra do ABCDE. Mas claro que em todos os casos de sinais suspeitos, procure sempre um dermatologista. Nenhum exame caseiro substitui a consulta e avaliação médica.

    Para encontrar todas as informações sobre essa doença, o que é, sintomas, tratamento e prevenção, além de materiais da campanha, basta clicar no link abaixo:

    sbd.org.br

    Previna-se contra o câncer de pele!

     


  • Novembro Azul – Câncer de Próstata

    Publicado em 23/11/2021 às 14:32

    No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos e considerando ambos os sexos, é o segundo tipo mais comum. A taxa de incidência é maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento. A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen.

    O QUE AUMENTA O RISCO?

    • A idade é um fator de risco importante, uma vez que tanto a incidência quanto a mortalidade aumentam significativamente após os 50 anos.
    • Pai ou irmão com câncer de próstata antes dos 60 anos, podendo refletir tanto fatores genéticos (hereditários) quanto hábitos alimentares ou estilo de vida de risco de algumas famílias.
    • Excesso de gordura corporal aumenta o risco de câncer de próstata avançado.
    • Exposições a aminas aromáticas (comuns nas indústrias química, mecânica e de transformação de alumínio) arsênio (usado como conservante de madeira e como agrotóxico), produtos de petróleo, motor de escape de veículo, hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA), fuligem e dioxinas estão associadas ao câncer de próstata.

    SINAIS E SINTOMAS

    Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite). Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal.

    DETECÇÃO PRECOCE

    A detecção precoce do câncer é uma estratégia utilizada para encontrar um tumor numa fase inicial e, assim, possibilitar maior chance de tratamento bem sucedido.

    A detecção precoce pode ser feita por meio da investigação com exames clínicos, laboratoriais, endoscópios ou radiológicos, de pessoas com sinais e sintomas sugestivos da doença (diagnóstico precoce), ou de pessoas sem sinais ou sintomas (rastreamento), mas pertencentes a grupos com maior chance de ter a doença. No caso do câncer de próstata, esses exames são o toque retal e o exame de sangue para avaliar a dosagem do PSA (antígeno prostático específico).

    Não há evidência científica de que o rastreamento do câncer de próstata traga mais benefícios do que riscos. Portanto, o INCA não recomenda a realização de exames de rotina com essa finalidade. Caso os homens busquem ativamente o rastreamento desse tipo de tumor, o Instituto recomenda, ainda, que eles sejam esclarecidos sobre os riscos envolvidos e sobre a possível ausência de benefícios desses exames feitos como rotina.

    Já o diagnóstico precoce desse tipo de câncer possibilita melhores resultados no tratamento e deve ser buscado com a investigação de sinais e sintomas como:

    • Dificuldade de urinar
    • Diminuição do jato de urina
    • Necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite
    • Sangue na urina

    Na maior parte das vezes, esses sintomas não são causados por câncer, mas é importante que eles sejam investigados por um médico.

    DIAGNÓSTICO

    O diagnóstico é feito através da biópsia prostática por via trans-retal ou trans-perineal e guiada por ultrassonografia e/ou ressonância magnética.

    A indicação de biópsia depende do toque retal e valores de PSA.

    TRATAMENTO

    Para doença localizada (que só atingiu a próstata e não se espalhou para outros órgãos), cirurgia, radioterapia e até mesmo observação vigilante (em algumas situações especiais) podem ser oferecidos. Para doença localmente avançada, radioterapia ou cirurgia em combinação com tratamento hormonal têm sido utilizados. Para doença metastática (quando o tumor já se espalhou para outras partes do corpo), o tratamento mais indicado é a terapia hormonal.

    A escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada e definida após médico e paciente discutirem os riscos e benefícios de cada um.

    FONTE: inca.gov.br

    O médico urologista Eduardo Deves do Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU-UFSC/Ebserh) reuniu algumas informações sobre o câncer de próstata para marcar a campanha conhecida como Novembro Azul. Leia abaixo a matéria:

    Mês de novembro é dedicado à saúde do homem e ao combate ao câncer de próstata


  • Medições de CO² nos ambientes da Biblioteca Universitária

    Publicado em 18/11/2021 às 14:40

    Coordenado pelo professor Amir Oliveira do curso de Engenharia Mecânica e do Comitê científico de medidas de prevenção à Covid da UFSC, alunos do curso de Engenharia Elétrica, pós graduandos de Arquitetura e técnicos da Divisão de Saúde e Segurança do Trabalho (DSST/DAS/PRODEGESP) estão realizando as medições de CO² nos ambientes da Biblioteca Universitária (BU/UFSC).

    Confira abaixo fotos da realização da medição:


  • Sinalização visual para os setores

    Publicado em 18/11/2021 às 14:28

    A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) deixa à disposição dos setores da Universidade peças gráficas de sinalização com mensagens a respeito da prevenção à Covid-19. A impressão poderá ocorrer nas impressoras disponíveis nos setores, ou por meio da Imprensa Universitária. Recomenda-se utilizar impressão colorida em papel de tamanho A3.

    As peças gráficas incluem um cartaz de orientações de prevenção à Covid-19 e outro cartaz para preenchimento dos servidores que atuam nos setores administrativos ou acadêmicos, sinalizando quais as informações de contato para quem for fisicamente até o setor.

    Confira todas as peças clicando no link abaixo:

    Sinalização visual para os setores


  • Retorno às atividades presenciais com testagem COVID

    Publicado em 09/11/2021 às 14:05

    A UFSC tem um grupo de pesquisadores realizando uma força-tarefa para testar a infecção por coronavírus em parceria com o Laboratório de Biologia Molecular, Microbiologia e Sorologia (LBMMS/CCS/UFSC). De acordo com a professora do Departamento de Análises Clínicas da UFSC, Maria Luiza Bazzo, que coordena o LBMMS, que funciona no HU, são cerca de 20 pessoas, entre pesquisadores, professores, profissionais de saúde, técnicos e estudantes de pós-graduação envolvidas nas testagens. O grupo consegue entregar os resultados dos testes entre 12 e 48 horas.

    Por iniciativa do DAS/PRODEGESP e do Gabinete da Reitoria, devido à necessidade do retorno às atividades presenciais do Colégio de Aplicação (CA) e do Núcleo de Desenvolvimento Infantil (NDI), estão recebendo frequentemente equipes do Hospital Universitário da UFSC responsáveis pela testagem dos trabalhadores, medidas que estão determinadas pelo Guia de Orientações para a Pré-Fase 2. A equipe coordenada pela professora Maria Luiza Bazzo, apoiada também pela Coordenadoria de Promoção e Vigilância em Saúde (CPVS/DAS/PRODEGESP), está efetuando a coleta e testagem de amostras dos servidores e estagiários que trabalham presencialmente no CA e no NDI.

    A foto abaixo se refere a uma testagem feita hoje, 09 de novembro, em uma servidora do Núcleo de Desenvolvimento Infantil.


     

     


  • Outubro Rosa – Mês de Prevenção do Câncer de Mama

    Publicado em 26/10/2021 às 15:43

    O principal objetivo do Outubro Rosa é divulgar informações sobre o câncer de mama e fortalecer as recomendações do Ministério da Saúde para prevenção, diagnóstico precoce e rastreamento da doença.

    Como prevenir:

    Cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados com a adoção de hábitos saudáveis como:

    • Praticar atividade física
    • Manter o peso corporal adequado
    • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas
    • Amamentar seu bebê
    • Não fumar e evitar o tabagismo passivo

    Sinais e sintomas: 

    O câncer de mama pode ser percebido em fases iniciais, na maioria dos casos, por meio dos seguintes sinais e sintomas:

    • Nódulo (caroço), fixo e geralmente indolor: é a principal manifestação da doença, estando presente em cerca de 90% dos casos quando o câncer é percebido pela própria mulher
    • Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja
    • Alterações no bico do peito (mamilo)
    • Pequenos nódulos nas axilas ou no pescoço
    • Saída espontânea de líquido anormal pelos mamilos

    Esses sinais e sintomas devem sempre ser investigados por um médico para que seja avaliado o risco de se tratar de câncer.

    A postura atenta das mulheres em relação à saúde das mamas é fundamental para a detecção precoce do câncer da mama.

    Detecção precoce:

    O câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais, em grande parte dos casos, aumentando assim a possibilidade de tratamentos menos agressivos e com taxas de sucesso satisfatórias. Todas as mulheres, independentemente da idade, devem ser estimuladas a conhecer seu corpo para saber o que é e o que não é normal em suas mamas. A maior parte dos cânceres de mama é descoberta pelas próprias mulheres.
    Além disso, o Ministério da Saúde recomenda que a mamografia de rastreamento (exame realizado quando não há sinais nem sintomas suspeitos) seja ofertada para mulheres entre 50 e 69 anos, a cada dois anos. A mamografia diagnóstica, exame realizado com a finalidade de investigação de lesões suspeitas da mama, pode ser solicitada em qualquer idade, a critério médico. O SUS oferece exame de mamografia para todas as idades, conforme indicação médica.

    Diagnóstico:

    Um nódulo ou outro sintoma suspeito nas mamas deve ser investigado para confirmar se é ou não câncer de mama. Para a investigação, além do exame clínico das mamas, exames de imagem podem ser recomendados, como mamografia, ultrassonografia ou ressonância magnética. A confirmação diagnóstica só é feita, porém, por meio da biópsia, técnica que consiste na retirada de um fragmento do nódulo ou da lesão suspeita por meio de punções (extração por agulha) ou de uma pequena cirurgia. O material retirado é analisado pelo patologista para a definição do diagnóstico.

    Tratamento:

    Muitos avanços vêm ocorrendo no tratamento do câncer de mama nas últimas décadas. Há hoje mais conhecimento sobre as variadas formas de apresentação da doença e diversas terapêuticas estão disponíveis. O tratamento do câncer de mama depende da fase em que a doença se encontra (estadiamento) e do tipo do tumor. Pode incluir cirurgia, radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia e terapia biológica (terapia alvo). Quando a doença é diagnosticada no início, o tratamento tem maior potencial curativo. No caso de a doença já possuir metástases (quando o câncer se espalhou para outros órgãos), o tratamento busca prolongar a sobrevida e melhorar a qualidade de vida.

    Fonte: inca.gov.br/assuntos/outubro-rosa

    Para mais informações leia a cartilha do INCA através do link: inca.gov.br/cartilha-mama-2021

    Na UFSC, no Hospital Universitário, foi inaugurado a exposição de quadros As cores do meu mundo, produzidos por pacientes que fazem ou fizeram tratamento no Ambulatório de Quimioterapia do hospital. Os quadros, que foram exibidos no hall do HU, vão ficar expostos até o final do mês de outubro. Confira fotos do evento clicando aqui.


  • Como usar as máscaras PFF2?

    Publicado em 23/09/2021 às 11:24

    Os respiradores, ou máscaras do tipo PFF2 (Peça Facial Filtrante, também conhecida como N95) passa a ser exigida na UFSC a partir do início da Pré-Fase 2. O Departamento de Atenção à Saúde, da Pró-Reitoria de Desenvolvimento e Gestão de Pessoas (DAS/Prodegesp) fará a distribuição deste Equipamento de Proteção Individual.

    A PFF2 é o tipo ideal de máscara para uso na pandemia, uma ferramenta essencial de trabalho, especialmente com a circulação de novas variantes do SARS CoV-2.

    >> Covid-19: professor da UFSC orienta sobre tipos e modelos de máscaras

    Cada servidor em trabalho híbrido ou presencial receberá dez máscaras e um Termo de Recebimento para confirmar que recebeu seu kit.

    Como usar a máscara PFF2

    Duas coisas são importantes para usar a PFF2: inspeção visual diária e ajuste adequado ao rosto.

    É importante, antes de cada uso, realizar a inspeção visual do seu EPI para verificar se ocorreram danos, furos, rasgos ou até danos no elástico.

    Ajuste a máscara à face: não pode haver brechas laterais e deve haver cobertura integral do queixo ao nariz. A mesma máscara pode ser utilizada durante toda a jornada de trabalho, ou seja, por 8h. Não se deve utilizar nenhum outro modelo de máscara por baixo da PFF2.

    Quando chegar em casa, higienize as mãos antes de tirar a máscara. Retire a máscara tocando apenas no elástico, e pendure em local limpo e arejado, sem expor ao sol, sem lavar ou molhar.

    Utilize um pequeno varal, por exemplo, onde a máscara estará bem arejada ajudando a eliminar as partículas virais. Se não utilizar o varal, guarde-a em saco plástico ou saco de papel. Outra dica é marcar as embalagens ou o elástico de cada máscara, com numerais ou dias da semana, para assim facilitar a organização do uso.

    Não se esqueça: o uso da máscara é uma das medidas de prevenção, mas não é a única. Mantenha distanciamento, a higienização das mãos, procure a ventilação dos ambientes e vacine-se!

    Como utilizar a máscara PFF2

     

     

    Fonte: @qualmascara

     Reutilização

    Diversos cientistas e instituições têm usado as redes sociais para se comunicar com o público a respeito de máscaras de proteção e outros temas relacionados à pandemia de Covid-19. Estes são alguns exemplos:

    • Qual máscara: perfil criado por Beatriz Klimeck, antropóloga, mestra e doutoranda em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) e mestranda em Divulgação Científica e Cultural (Unicamp), e Ralph Holzmann, administrador público, fotógrafo e gestor de mídias sociais. Foca-se na divulgação de informações atualizadas sobre as formas de proteção contra a Covid-19, como o uso correto de máscaras, mas não somente: distanciamento, ventilação, formas de contágio e fake news são alguns dos temas que aparecem no Instagram e no Twitter.
    • Observatório Covid-BR: iniciativa que reúne 85 pesquisadores brasileiros de 27 estados e 71 municípios. Mais informações no site e no Twitter.
    • PFF para Todos: o site possui uma lista de locais (físicos e on-line) em que é possível comprar máscaras PFF2. Também conta com um perfil no Twitter.
    • Vitor Mori: bacharel em física pela Universidade de São Paulo (USP) e mestre e doutor em Engenharia Biomédica pela mesma instituição, divulga, em seu Twitter, uma série de dicas de prevenção contra a Covid-19.

     

    Referências Bibliográficas:

    • Brooks JT, Beezhold DH, Noti JD, et al. Maximizing Fit for Cloth and Medical Procedure Masks to Improve Performance and Reduce SARS-CoV-2 Transmission and Exposure, 2021. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 2021; 70:254–257. http://dx.doi.org/10.15585/mmwr.mm7007e1
    • ANVISA – Covid-19: tudo sobre máscaras faciais de proteção: esclareça suas dúvidas sobre o tema e não se deixe enganar pelas fake news.
    • ABNT – NBR 13698 – Equipamento de Proteção Respiratória – peça semifacial filtrante para partículas.
    • Occupational Safety and Health Administration (OSHA) – Protecting Workers: Guidance on Mitigating and Preventing the Spread of COVID-19 in the Workplace; June 10,2021.

  • 10/09 – Dia Mundial da Prevenção do Suicídio

    Publicado em 10/09/2021 às 17:42

    O Dia Mundial da Prevenção do Suicídio, comemorado 10 de setembro, é organizado pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio (IASP) e endossado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O evento representa um compromisso global para chamar atenção para a prevenção do suicídio.

    O objetivo geral dessa ação é elevar a conscientização sobre a prevenção do suicídio no mundo.

    Os objetivos incluem:

    – promover a colaboração entre partes interessadas e a auto-capacitação para lidar com a auto-mutilação e o suicídio por meio de ações preventivas;

    – capacitar profissionais de saúde e outros atores relevantes;

    – enviar mensagens positivas e informativas voltadas para a população em geral e grupos de risco, como jovens, facilitando a discussão aberta sobre saúde mental em casa, na escola, no local de trabalho, entre outros;

    -incentivar aqueles que pensam ou são afetados pelo suicídio a compartilhar suas histórias e procurar ajuda profissional.

    Os suicídios e as tentativas de suicídio têm um efeito dominó que afetam não apenas os indivíduos, mas também as famílias, comunidades e sociedades. Fatores de risco associados ao suicídio, como perda de emprego ou financeira, trauma ou abuso, transtornos mentais e de uso de substâncias e barreiras ao acesso a cuidados de saúde, aumentaram ainda mais depois da pandemia de COVID-19. Um ano após o início da pandemia, mais da metade das pessoas pesquisadas no Chile, Brasil, Peru e Canadá relataram que sua saúde mental havia piorado.

    Porém, o suicídio pode ser evitado, e as principais medidas de prevenção ao suicídio baseadas em evidências incluem:

    -a restrição do acesso a meios para o suicídio, como por exemplo: armas de fogo, pesticidas, etc;

    -redução do álcool e drogas;

    -e, principalmente, políticas de saúde mental.

    O estigma social e a falta de consciência continuam a ser as principais barreiras para a procura de ajuda, destacando a necessidade de formação em saúde mental e campanhas anti-estigma.

    Na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC),  o Serviço de Atenção Psicológica (SAPSI) promove o Grupo de Psicoterapia Breve.  A proposta é oferecer apoio emocional e social aos participantes, desenvolvendo habilidades de interação, estratégias de resolução de conflitos e de enfrentamento de problemas, tudo em absoluto sigilo. Essa atividade é online e gratuita, basta uma inscrição. Para maiores informações é só enviar um e-mail para: sapsi@contato.ufsc.br.

    A Unimed está oferecendo aos seus beneficiários, gratuitamente, diversas atividades relacionadas a saúde mental, física e emocional. Para saber mais é só clicar no link: unimedfloripa.com.br

    Para saber mais leia a cartilha abaixo:

    http://www.flip3d.com.br

    Fonte:

    https://www.paho.org


  • 29/08 – Dia Nacional de Combate ao Fumo

    Publicado em 27/08/2021 às 15:18

    O Dia Nacional de Combate ao Fumo, celebrado no dia 29 de agosto, tem como propósito reforçar as ações nacionais de conscientização sobre os danos sociais, de saúde, econômicos e ambientais causados pelo tabagismo. O tabaco é uma doença crônica, matando mais da metade de seus usuários, e é considerado o maior fator de risco evitável de adoecimento e morte no mundo.

    Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) o tabagismo é classificado como dependência da droga nicotina, presente em qualquer derivado do tabaco, seja cigarro, cigarrilha, charuto, cachimbo, cigarro de palha, fumo de rolo ou narguilé.

    Em meio ao cenário de enfrentamento a Covid-19, o tabaco se mostrou fator de risco para o aumento de contaminação e para o possível agravamento de sintomas da doença em fumantes. Dessa maneira, parar de fumar se torna uma medida de proteção à saúde de toda a população e esse cenário de pandemia pode ser um ótimo momento para decidir parar de fumar de uma vez.

    Ao deixar de fumar, os benefícios à saúde são imediatos, pois após 12 a 24 horas sem fumar os pulmões já funcionarão melhor. Por isso, além de evitar aglomerações, lavar as mãos com água e sabonete ou usar álcool em gel para higienizá-las, não compartilhar objetos pessoais e manter ambientes bem ventilados para prevenir o contágio pelo Coronavírus, é muito importante também parar de fumar. Deixar o cigarro pode reduzir o risco de desenvolver a forma mais severa da Covid-19.

    O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento gratuito para ajudar o cidadão a parar de fumar. É só buscar a unidade de saúde mais próxima.

    Além do SUS, o Núcleo de Estudos e Tratamento do Tabagismo (NET-Tab) do Hospital Universitário da UFSC é um projeto de extensão que existe desde 2014 e realiza, regularmente, busca ativa com posterior abordagem e tratamento medicamentoso do paciente tabagista hospitalizado com a distribuição de cartilhas educativas, esclarecimentos relacionados aos malefícios do tabaco e benefícios da interrupção.​

    Fonte:

    https://www.inca.gov.br/campanhas

    https://www.inca.gov.br/perguntas-frequentes


  • Bate-papo on-line com o Plano de Saúde Aliança-QUALICORP

    Publicado em 24/08/2021 às 16:31

    A operadora de Plano de Saúde Aliança-QUALICORP, que possui acordo com a UFSC-MEC para atender aos servidores da Universidade realizará, nesta quarta-feira, dia 25/08/2021 as 17h00, através da plataforma Teams, bate-papo para esclarecer dúvidas dos servidores quanto ao Plano de Saúde por eles oferecido.

    Aos interessados em participar, clique aqui para acessar a sala virtual.

    Mais informações a respeito do acordo realizado entre a UFSC-MEC-ALIANÇA, clique aqui.